Posts

Volta às aulas presenciais exigirá cuidado com emocional de alunos e professores.

Ainda que o Brasil, num cenário otimista, supere logo a crise do coronavírus, teremos desafios a serem superados após o encerramento do distanciamento social.

Ansiedade, depressão, medo, angústia sobre a volta às aulas e a ruptura de relacionamentos seja por luto ou desemprego são algumas das cicatrizes que deverão ser superadas no dia a dia.

A incerteza sobre as idas e vindas do risco de contágio pela Covid-19, uma sensação que na H1N1 só foi minimizada com a vacina, e o receio com o colapso no sistema de saúde devem manter parte da população em um estado de quarentena permanente.

Entre as dificuldades no retorno escolar apontadas pela pesquisa do observatório PrEpidemi estão as preocupações com as medidas de proteção; insegurança com o retorno às aulas no atual cenário; desafios em utilizar adequadamente o ensino a distância; conexão adequada à internet como forma de acessar conteúdos; exposição dos estudantes ao vírus no trajeto de casa para a escola; suscetibilidade das famílias que moram na mesma casa ao vírus, entre outras.

A pesquisa foi realizada por meio de enquete pelas redes sociais. As perguntas analisaram o quadro de confiança e incertezas dos pais ou responsáveis pelas crianças e jovens envolvidos no processo. O questionário obteve 40.169 respostas em quatro dias. O momento de enfrentamento da pandemia é um processo delicado por envolver medidas que afetam significativamente a vida da população, aponta a pesquisa.

O estudo revela ainda que, na opinião dos pais, a preocupação das escolas não deve se restringir à aprendizagem do conteúdo específico de cada matéria em si: as instituições de ensino também devem valorizar a adoção adequada de medidas de proteção e atenção às emoções dos alunos desencadeadas pela pandemia. Esse é o momento de acolhimento para alunos, pais e professores!

É preciso trabalhar com calma, resgatando os aprendizados vividos pelo distanciamento físico e priorizando o material humano, para que essa reinauguração do ano letivo possa acontecer de maneira orgânica e plena.

Devido às incertezas sobre a vacina contra o coronavírus e ao medo de uma segunda onda da doença, como tem ocorrido na Europa, as instituições particulares vão manter o ensino híbrido. Ou seja, respeitarão a vontade dos pais. Quem quiser o ensino presencial para o filho, terá essa possibilidade. Os que desejaram a manutenção das aulas remotas, terão o suporte.

Os protocolos de segurança para a volta às aulas, que vem sendo discutido apontam medidas já adotadas em outras instituições e bastante conhecidas de todos, como o uso do álcool gel, a alternância de lugares para os alunos ocuparem nas salas de aula, o revezamento dos alunos que assistirão às aulas presenciais em dias alternados, entre outras medidas.

Segundo dados da Unesco, a primeira onda da pandemia interrompeu as atividades escolares em mais de 190 países, afetando 1,57 bilhão de pessoas, o equivalente a 90% dos estudantes do mundo. Mas, ao contrário do que aconteceu no Brasil, a maioria das nações retomou o ensino presencial até a metade de 2020, ainda que mantendo parte das atividades on-line e adotando protocolos restritivos. A experiência foi repleta de sobressaltos, mas mostrou que, com respeito a medidas de higiene, distanciamento social e controle de casos novos, a escola não produz surtos da doença como se temia. O rigor no cumprimento dos protocolos é essencial.

Em favor da volta às aulas, há a constatação óbvia de que os estudantes estão sofrendo prejuízos no processo de aprendizagem, sem mencionar os efeitos das restrições sociais na saúde mental de crianças e adolescentes. Manter escolas fechadas tem altos custos diretos e indiretos, que afetam tanto alunos e suas famílias quanto a sociedade como um todo, longe das escolas, as crianças e jovens se protegem da doença, mas não estão imunes a riscos associados à violência doméstica e até à falta de alimentação regular.

Embora haja uma divergência de opiniões em relação à retomada das aulas presenciais, uma coisa é certa: é necessário planejar esse retorno, preparar o professor e, também, o incluir como protagonista nesse processo. Portanto, quanto antes as escolas começarem a dialogar e preparar seu corpo docente (e toda a equipe escolar), mais tranquilo e seguro será o retorno para todos, porque é preciso tempo para a reestruturação ser empreendida. E por reestruturação não falo apenas da questão física, dos novos espaços e ambientes, refiro-me, especialmente, ao âmbito emocional, já que todos estiveram diante de uma situação completamente inesperada.

E você, como está se sentindo nessa retomada das aulas presenciais?

Sou Joana Santiago – Psicóloga

Festas de fim de ano: alegria ou depressão?

É dezembro e já chegamos no final do ano, mês de festas, alegria, confraternizações, reuniões familiares, momento de fazer um balanço da vida e pensar em novos projetos. Nesta época, as pessoas ficam mais solidárias, fraternas, sensíveis, trocam presentes e buscam estímulo para um novo recomeço.

Porém, esse período não é a época mais feliz para muitas pessoas e pode aflorar tristeza, depressão, com sentimento de desânimo, angústia, ansiedade e desamparo. Para essas pessoas, essas datas comemorativas trazem lembranças tristes, como perdas de entes queridos, doenças, separações, desemprego, preocupações. Para as pessoas que já estão sofrendo de depressão, essa fase de festas costuma agravar o problema.

Pessoas de todas as idades podem sofrer de depressão: crianças, adolescentes, adultos e idosos. Em torno de 15% da população tem ou já teve algum episódio depressivo. É preciso sempre identificar se os sentimentos de tristeza e depressão são apenas passageiros e comuns nesta época, sendo apenas uma melancolia de final de ano, ou se os mesmos já estavam acontecendo e persistem ao longo do tempo.

Para superar uma fase difícil na época de festas de final de ano é necessário que a pessoa não fique isolada e insista em interagir socialmente, ficando junto com a família ou amigos, mesmo que não esteja com bom humor para festejar. É importante se distrair, sair para caminhadas, fazer atividades físicas, conversar com as pessoas, lembrar de bons acontecimentos, ter alguma atividade de lazer que lhe traga um pouco de satisfação. Assim a pessoa não se torna vítima dos sentimentos depressivos e consegue diminuir o impacto de pensamentos negativos em sua vida.

É muito importante que a família fique atenta a algum familiar mais isolado ou extremamente triste, podendo em casos extremos chegar ao suicídio, com pessoas que sofrem de depressão. A família deve sempre tentar interagir com a pessoa que pode estar deprimida e tentar integrá-la ao grupo familiar. É importante procurar tratamento adequado, quando necessário.

E você? Como se sente nas festas de fim de ano? Caso precise de ajuda psicológica, entre em contato comigo. Podemos reverter as dificuldades juntos.

Doenças que afetam a memória

As doenças da memória podem variar de leve a grave, mas todas resultam de algum tipo de dano neurológico nas estruturas do cérebro, dificultando o armazenamento, a retenção e a lembrança das memórias. Podem ser progressivas, como a doença de Alzheimer, ou imediatas, como as resultantes de um traumatismo craniano. Essa última pode acometer qualquer pessoa em qualquer idade, mas é durante o envelhecimento que os sintomas de esquecimento podem se agravar.

Muitos dos episódios de falta de memória estão associados às questões do dia a dia, como o grande fluxo de informações e a dificuldade para reter todas elas no cérebro, mas o esquecimento também pode ser ocasionado por síndromes e doenças que podem e devem ser diagnosticadas precocemente.

Várias dessas doenças são irreversíveis e tudo o que se pode fazer é atuar para que a evolução não seja tão dramática. Por isso, é muito importante que a pessoa possa ser acompanhada por profissionais capacitados para dar todo o suporte que a doença exige. 

Veja algumas doenças mais comuns que causam falhas na memória:

Déficit de memória associado à idade

Este não é propriamente uma doença, mas pode acometer qualquer pessoa durante o envelhecimento. Pode surgir por volta dos 40 a 50 anos de idade e é marcado por pequeno prejuízo de atenção, perda leve de concentração e vaga dificuldade em armazenar dados recentes.

Este déficit de memória também muito atribuído ao aumento da carga de estresse que o indivíduo pode acumular ao longo do dia, diante de grande acúmulo de informações ou elevado grau de preocupação com o trabalho, por exemplo.

A perda normal de memória relacionada à idade não impede uma vida plena e produtiva. Por exemplo, você pode ocasionalmente esquecer o nome de uma pessoa, mas lembrá-lo mais tarde. Você pode até perder seus óculos algumas vezes. Ou talvez você precise fazer listas com mais frequência do que no passado para lembrar de compromissos ou tarefas.

Essas mudanças na memória são geralmente gerenciáveis e não prejudicam sua capacidade de trabalhar, viver de forma independente ou manter uma vida social.

Síndrome demencial

A palavra “demência” é um termo genérico usado para descrever um conjunto de sintomas, incluindo comprometimento da memória, raciocínio, julgamento, linguagem e outras habilidades de pensamento. A demência geralmente começa gradualmente, piora com o tempo e prejudica as habilidades de uma pessoa no trabalho, nas interações sociais e nos relacionamentos.

É considerada uma doença quando prejudica o paciente de forma que o impede de manter certas funções sociais, pessoais e profissionais. Não está necessariamente ligada ao envelhecimento, mas tende a acometer pessoas com mais de 60 anos, mas podendo nunca ocorrer mesmo em idosos acima dos 90.

A Síndrome demencial é caracterizada por perdas graves da memória recente que ocasionam deslizes no trabalho, esquecimento do nome de familiares próximos, principalmente mais novos, como netos – e lapsos no dia a dia, como deixar de pagar uma conta por não lembrar.

Doença de Alzheimer

A doença de Alzheimer é considerada uma das mais devastadoras da memória. Menos de 5% da população com 50 anos têm a doença, porém ela acomete quase a metade dos idosos com mais de 90 anos. É causada pela redução do número de neurônios no cérebro e pelo acúmulo de uma proteína denominada beta-amiloide. Como é degenerativa, a função intelectual vai sendo perdida gradualmente, começando com leves esquecimentos – números de telefone, recados do dia a dia – a graves perdas de memória, como deixar de comer e de se vestir. O Alzheimer causa graves perdas sociais e um paciente em estágio avançado da doença fica praticamente incapaz de manter certas funções sociais.

Parkinson associado à demência

A doença de Parkinson não causa necessariamente demência, pois sua condição neurológica degenerativa e progressiva compromete a coordenação dos músculos corporais e do movimento, causando tremores, rigidez muscular e lentidão.

Porém, cerca de um terço das pessoas com Parkinson podem desenvolver algum tipo de demência na fase tardia da vida. Ela ocorre porque a doença de Parkinson faz surgir depósitos microscópicos em células nervosas do cérebro denominados corpos de Lewy, associados à demência em algumas pacientes.

A atuação desses depósitos microscópicos pode causar esquecimento, lentidão de pensamento, letargia e incapacidades mentais para raciocínio, tomada de decisão, planejamento e confronto de situações novas.

Doenças de memória reversíveis

Algumas doenças que são classificadas como causadoras de perda de memória podem ter seus sintomas revertidos se o diagnóstico for precoce. Entre elas, perdas causadas por tumores cerebrais, alteração nos níveis de açúcar, sódio e cálcio no sangue, deficiência de vitamina B12, hipotireoidismo, neurolues ou neurossífilis e hidrocefalia de pressão intermitente podem ser tratados.

Porque a nossa memória falha e como podemos tratar

A maioria de nós, ocasionalmente ou com mais frequência, teve a experiência desagradável de esquecer algo. Esses episódios de perda de memória podem causar irritação e frustração, bem como o medo de estar perdendo-a e começando a desenvolver a doença de Alzheimer.

Embora a doença de Alzheimer  e outros tipos de demência sejam responsáveis por muitos casos de perda de memória, a boa notícia é que existem outros fatores não permanentes que também podem causar perda de memória. Melhor ainda, alguns deles são facilmente revertidos.

Então, o que nos faz esquecer? O que nos impede de armazenar mentalmente a informação ou ser capaz de recuperá-la? Aqui estão algumas das muitas razões pelas quais não conseguimos lembrar.

Causas emocionais

Como nossa mente e corpo estão conectados e afetam um ao outro, nossas emoções e pensamentos podem impactar nosso cérebro. A energia necessária para lidar com certos sentimentos ou estresse na vida pode atrapalhar o armazenamento, ou a lembrança de detalhes e horários. Frequentemente, esses gatilhos emocionais da perda de memória podem ser melhorados com apoio, aconselhamento, mudanças no estilo de vida e até mesmo estando cientes e limitando a exposição a coisas que aumentam o estresse.

Estresse e ansiedade

A ansiedade é a principal causa de perda da memória, principalmente em jovens, pois momentos de estresse causam a ativação de muitos neurônios e regiões do cérebro, o que o torna mais confuso e dificulta sua atividade mesmo que para uma tarefa simples, como se lembrar de algo. Por esse motivo, é comum haver uma perda de memória repentina, ou um lapso, em situações como uma apresentação oral, uma prova ou após uma acontecimento estressante, por exemplo. 

Rebaixamento de atenção 

É muito comum associar o deficit de atenção com os problemas de memória. Apesar de ambos significarem problemas distintos, eles têm, sim, uma relação em comum.

O que chama a atenção para esse elo entre o deficit de atenção e os problemas de memória está na parte física de onde eles são originados. Mas isso é possível? Sim, pois tanto um quanto outro são resultados de uma disfunção na área do córtex cerebral, conhecida como Lobo Pré-frontal.

No caso de um funcionamento comprometido é inegável que a pessoa comece a enfrentar dificuldades com memória, concentração, impulsividade, entre outros.

A ligação entre o deficit de atenção e os problemas de memória também é feita porque uma das consequências do primeiro caso pode ser o comprometimento da memorização, por exemplo.

Contudo, é importante saber que existe a possibilidade de cada um acontecer de maneira independente do outro. Portanto, o problema de memória pode ocorrer sem a existência do deficit de atenção ou vice-versa. É válido ressaltar, portanto, a diferença que existe entre eles, para que todos fiquem bem informados.

O transtorno de deficit de atenção com hiperatividade (TDAH) é um transtorno que se caracteriza por comportamentos notáveis a partir da infância, a saber: distração, hiperatividade, desorganização e esquecimento. O TDAH ocorre mais na população masculina.

O problema de memória, por sua vez, tem causas diversas e pode estar relacionado a vários fatores. Ele também é reversível ou irreversível.

Depressão

A depressão pode enfraquecer a mente e causar tanto desinteresse em seu ambiente que a memória, a concentração e a consciência sofrem. Sua mente e emoções podem ser tão desgastantes que você simplesmente não consegue prestar muita atenção ao que está acontecendo. Consequentemente, é difícil lembrar de algo que você não estava prestando atenção. A depressão também pode causar problemas com o sono saudável, o que pode dificultar a lembrança das informações. É um transtorno tratável e, muitas vezes, a pessoa percebe rapidamente a melhora da capacidade de memorização.

Falta de vitamina B12

A vitamina B12 é uma vitamina muito importante. Em casos mais extremos, os déficits de vitamina B12 causaram sintomas que foram confundidos com demência. Pessoas com desnutrição, alcoólatras ou pessoas que tenham alterações na capacidade de absorção do estômago – como na cirurgia bariátrica – pois é uma vitamina que adquirimos através da alimentação equilibrada e, preferencialmente, com carne. A falta desta vitamina altera o funcionamento cerebral, e prejudica a memória e o raciocínio. Ao receber vitamina B12 adequada, esses sintomas podem melhorar.

Uso de remédios para ansiedade

Alguns medicamentos podem provocar um efeito de confusão mental e prejudicar a memória, sendo mais comum em quem usa sedativos frequentemente ou pode ser efeito colateral de remédios de vários tipos, como anticonvulsivantes, neurolépticos e alguns medicamentos para labirintite. Estes efeitos variam de pessoa para pessoa, portanto é sempre importante relatar ao médico os remédios usados caso haja suspeita de alteração da memória.

Álcool ou outras drogas

Beber álcool ou usar outras drogas pode prejudicar a memória, tanto a curto como a longo prazo. Desde apagões no mesmo dia até um risco aumentado de demência anos depois, essas substâncias podem prejudicar significativamente sua memória, entre muitas outras coisas. O excesso de álcool também pode causar a síndrome de Wernicke-Korsakoff, que se tratada imediatamente, pode ser parcialmente revertida em algumas pessoas.

Dormir menos de 6 horas

A alteração do ciclo do sono pode prejudicar a memória, pois a falta de um descanso diário, que deve ser, em média, de 6 a 8 horas por dia, dificulta a manutenção da atenção e do foco, além de prejudicar o raciocínio. 

Demência de Alzheimer

A doença de Alzheimer é uma doença degenerativa do cérebro, que acontece em idosos, que prejudica a memória e, à medida que progride, interfere na capacidade de raciocínio, compreensão e de controlar o comportamento.

Existem outros tipos de demência que também podem causar alterações da memória, principalmente no idoso, como a demência vascular, demência de Parkinson ou demência por corpúsculo de Lewy, por exemplo, que devem ser diferenciados pelo médico.

Como melhorar a memória naturalmente

A maioria das causas de perda de memória são preveníveis ou reversíveis, com hábitos de vida saudável como meditação, técnicas de relaxamento, treino da memória e alimentação equilibrada, você ajuda a melhorar a sua memória e a sua concentração.

Suicídio ainda ainda é tabu

Apesar de ser um problema de saúde pública, com tendência de crescimento nos próximos anos, pois acompanha a expansão de doenças como a depressão, o suicídio ainda é um tabu no Brasil. Dificuldade de obter dados, preconceito e medo de estimular a prática da fala, são fatores que dificultam a discussão e a prevenção.

Suicídio em nossa sociedade.

Ao longo dos séculos, por razões morais e religiosas, o suicídio foi considerado um dos piores pecados, talvez o pior que um ser humano pudesse cometer. Esse tabu, que tem raízes profundas em nossa cultura, se transformou em um problema e ocultou uma triste realidade: que pode afetar qualquer pessoa a qualquer momento da vida, independentemente do status socioeconômico, idade, raça, sexo ou religião. E também está intimamente ligado a transtornos mentais que tiram a liberdade de escolha de um indivíduo.

Transtornos mentais, como depressão, transtornos bipolares e de personalidade, dependência química e esquizofrenia, que quando somados e não diagnosticados ou tratados inadequadamente, representam aproximadamente 80% dos casos. As situações estressantes da vida, para esses indivíduos já fragilizados, como dificuldades financeiras e ou emocionais, também são um fator significativo e podem desencadear o suicídio.

Problema de saúde pública

Os números em si devem ser suficientes para convencer alguém de que a questão não deve ser vista como um tabu, mas considerada como realmente é: um sério problema de saúde pública. Só para se ter uma idéia de sua magnitude, de 2007 a 2016, foram registrados 106.374 mortes por suicídio no Brasil. De acordo com a Organização Mundial de Saúde, 804.000 pessoas no mundo morreram dessa maneira. No Brasil, é a quarta maior causa de morte entre jovens de 15 a 29 anos, sendo a terceira para homens nesse grupo e, entre as mulheres, a oitava. O suicídio também tem inúmeras repercussões, como o forte impacto que essa morte causa na vida de outras pessoas.

Campanhas de prevenção

Levando tudo isso em consideração, a Associação Brasileira de Psiquiatria (ABP) está fazendo todo o possível para fornecer informações aos médicos, outros profissionais de saúde e para população. Apoiando campanhas como “Setembro Amarelo”, propondo que, durante a semana de 10 de setembro, tenhamos campanhas e ações para a prevenção do suicídio.

Esse ano, famosos como: Ana Maria Braga, Evaristo Costa, Juliana Paes, Fábio Porchat e outros desativaram suas contas do Instagram por um dia, 10 de setembro, o objetivo  foi causar estranhamento aos usuários da rede social mais popular do mundo.

Quando os famosos fossem pesquisados, eles não seriam encontrados e apareceriam indisponíveis. Com isso, a campanha teve por finalidade causar um espanto e um alerta em mais de 100 milhões de pessoas.

Ao longo do dia, as celebridades retornam às suas contas, explicando o motivo do “sumiço”. Eles se uniram ao Centro de Valorização da Vida (CVV) e tiveram como intuito, também, quebrar o tabu em se falar de saúde mental. Além disso, eles relataram dados trágicos sobre o suicídio e a importância que as campanhas de prevenção têm em combater esse mal. 

Mas ainda há muito a ser feito. A conscientização e a educação pública são cruciais. É importante lembrar que, para uma pessoa depressiva ou com algum transtorno mental, além dos tabus, a dificuldade em pedir ajuda é muito maior. Portanto, temos que estar atentos aos sinais e sempre que tiver alguma desconfiança converse e procure ajuda profissional.

Você sabe como poderia ajudar alguém nessa situação? Tire suas dúvidas!

conheça os sinais de alerta e saiba como ajudar na prevenção do suicídio

Em julho deste ano a depressão, ansiedade e suicídio voltaram a ser destaque na imprensa e nas redes sociais. O motivo foi o suicídio da influenciadora digital Aline Araújo, de 24 anos. Após ser abandonada pelo noivo um dia antes da cerimônia de casamento, ela anunciou que se casaria sozinha. No entanto, um dia após casar-se consigo mesma, ela se jogou do nono andar do prédio onde morava. Aline sofria de depressão e falava abertamente sobre isso no seu perfil do instagram @sejjesincera.

O suicídio de Aline reacendeu o debate sobre a prevenção e tratamento da depressão, e nesse mês de setembro vamos dar voz ao movimento mundial para conscientizar a população sobre a realidade do suicídio e para lembrar as pessoas que não deixem de procurar ajuda.

De acordo com a Organização Mundial da Saúde (OMS), a depressão atinge mais de 300 milhões de pessoas no mundo. A doença atinge ao menos 5,5% da população brasileira e cada vez mais, jovens e adolescentes da faixa etária entre 15 e 29 anos vem sendo diagnosticados com essa doença, que pode até causar a morte.

Os sintomas das doenças entre os mais jovens podem ser diferenciados e, por isso, é preciso ter bastante atenção com as especificidades. Além do quadro de depressão, Aline também comentava em seu perfil no Instagram sobre os seus problemas com a ansiedade e as crises desencadeadas por esse transtorno. Ainda segundo a OMS, distúrbios relacionados a ansiedade atingem 9,3% dos brasileiros.

As dificuldades emocionais, o isolamento típico, as mudanças hormonais, dúvidas sobre si, lugar no mundo, problemas com a autoestima e até mesmo certa tristeza e rebeldia podem confundir pais e professores com relação aos sinais da doença. Afinal muitos dos indícios da depressão entre jovens e adolescentes podem passar despercebidos, encarados como comportamentos esperados por pessoas destas idades. Se houver uma mudança repentina de atitudes, isso pode ser um indicador de que alguma coisa está errada.

A depressão pode interferir fortemente no desenvolvimento das pessoas nesta fase da vida. Esse período de transição pode ser realmente estressante para muitos e a depressão é uma doença que pode inabilitar de maneira arrebatadora.

Ela é um distúrbio usualmente percebido na fase adulta, mas a verdade é que, comumente, aqueles diagnosticados quando mais velhos apresentaram sintomas de depressão ainda jovens. Em geral é causada por fatores genéticos, ambientais e sociais. Portanto, não é somente pela predisposição que a pessoa sofrerá de depressão; certos estímulos também podem influenciar no aparecimento da doença.

Mas o diagnóstico não é simples e só pode ser dado por um profissional. Além disso, ainda temos que ficar alertas sobre a ansiedade, que é a porta de entrada para transtornos mentais mais sérios, como a própria depressão, e é justamente por isso que ela deve ser identificada e tratada o quanto antes.

Os fatores que levam uma pessoa a cometer suicídio variam, mas é a forma como podemos ajudar o que mais importa. No vídeo a seguir, a especialista no assunto Livia Vitenti explica como podemos ficar atentos a sinais de alerta, o que fazer caso alguém próximo precise de ajuda e onde buscar apoio.

O que fazer para ajudar uma pessoa sob risco de suicídio?

  • Conversar com a pessoa, ouvir o que ela tem a dizer e evitar julgamentos;
  • Acompanhar constantemente é outra indicação, é importante saber como a pessoa está se sentindo;
  • Buscar ajuda profissional de um psicólogo e
  • Proteger a pessoa, nos casos em que há risco imediato, não a deixando sozinha e longe de objetos que possam ser utilizados para provocar a própria morte.

A depressão se enquadra em um quadro de tristeza, insatisfação mais intensa e crônica, que se arrasta por dias e para ser diagnosticada é necessário apresentar pelo menos 14 dias seguidos dos sintomas de tristeza, humor deprimido e até irritabilidade.

Sinalizo aqui alguns ‘gatilhos’ que podem disparar o processo depressivo, que são acontecimentos negativos em nossa vida: perda de parentes próximos, endividamento, preocupação excessiva com trabalho e estudos, abandono e julgamentos (principalmente no tempo atual de superexposição).

Redes Sociais, Ansiedade e Dependência

Você fica ansioso quando não consegue checar sua conta no Facebook, Instagram ou Twitter? Acredite ou não, isso é um transtorno real. De fato, os transtornos de ansiedade são os transtornos mentais mais comuns no Brasil e no mundo. Parece que quanto mais tecnologia adquirimos, mais estressados ​​nos tornamos. Segundo os especialistas, quase 20% das pessoas com contas de redes sociais não podem passar mais de três horas sem verificá-las. Então, o que é transtorno de ansiedade de mídia social?

A maioria das pessoas que possuem contas nas redes sociais não chegam a ficar nervosas ou estressadas quando não conseguem verificar suas notificações a cada cinco minutos. No entanto, para aqueles que têm transtorno de ansiedade de mídia social, apenas ficar longe de sua conta no Facebook ou Instagram por alguns minutos pode causar ansiedade severa. Aqui estão alguns dos sintomas mais comuns do transtorno de ansiedade de mídia social:

  • Interromper conversas para verificar suas redes sociais
  • Mentir para os outros sobre quanto tempo você gasta em redes sociais
  • Isolar-se de amigos e familiares
  • Tentar parar ou reduzir o uso de redes sociais mais de uma vez sem sucesso
  • Perder interesse em outras atividades
  • Negligenciar o trabalho ou a escola para comentar no Facebook, Instagram ou Twitter
  • Vivenciar sintomas de abstinência quando não consegue acessar a mídia social
  • Gastar mais de seis horas por dia em sites de redes sociais como Facebook, Twitter ou Instagram
  • Sentir necessidade incontrolável de compartilhar coisas com os outros em sites de mídia social
  • Precisar de seu telefone com você 24 horas por dia para verificar seus sites de mídia social
  • Sentir grave nervosismo ou ansiedade quando não é capaz de verificar suas notificações
  • Impactar negativamente sua vida pessoal ou profissional devido ao uso de redes sociais

No geral, cerca de 30% das pessoas que usam redes sociais passam mais de 15 horas por semana on-line. Isso pode reduzir muito sua capacidade de aproveitar a vida real. Também pode lhe custar relacionamentos, empregos e educação, se você gastar muito tempo on-line. Se você está gastando várias horas por dia no Facebook, Twitter e Instagram, você não terá tempo suficiente para trabalhar, estudar ou passar tempo com seus entes queridos. Significa também que você pode ter transtorno de ansiedade de mídia social e também pode afetar sua saúde, tanto física como mentalmente.

Riscos físicos da dependência de redes sociais

Gastar muito tempo on-line tem provado causar doenças como cansaço visual, dor no pescoço e problemas lombares. Além disso, a maneira sedentária com que nos sentamos e “conversamos” com as pessoas no Facebook pode causar doenças físicas, como obesidade, doenças cardíacas, problemas nutricionais, risco de derrame e certos tipos de câncer.

Problemas de saúde mental causados ​​pela dependência de redes sociais

Pesquisadores descobriram que usar redes sociais sem moderação causa mais do que apenas ansiedade. De fato, os testes descobriram que usar muita Internet pode causar depressão, comportamento impulsivo, problemas com funcionamento mental, paranoia e solidão. É mais do que apenas a pressão de compartilhar coisas com os outros, é também sobre como você pode estar comparando sua vida com os outros que você vê no Instagram. Muitas pessoas veem alguém no Instagram que tem um ótimo trabalho, um excelente marido e uma bela casa e elas se sentem felizes por elas. Mas, outros podem sentir inveja, depressão ou até mesmo pensar se a vida vale a pena, se não forem tão “perfeitos” quanto aqueles que veem no Instagram.

O que você pode fazer

Primeiro de tudo, basta perceber que muitas pessoas que postam todas essas grandes coisas no Facebook têm uma vida normal como eu e você, mas eles só colocam as coisas boas no Instagram e Facebook. Se a sua vida não é tão incrível quanto algumas das pessoas que você vê nas redes sociais, não vai ficar melhor se você ficar obcecado com isso. Você tem que sair e aproveitar a sua vida real, não sua “vida virtual” nas redes sociais, porque isso não é vida real. Se você está tendo problemas para fazer isso ou só precisa falar com alguém, não deixe de procurar ajuda profissional. Entre em contato comigo para uma avaliação e você poderá se sentir melhor amanhã.

Reflexão sobre o Filme “Entre Abelhas”

 

Quantas vezes você já escutou alguém falando “cinema nacional não presta”? Eu sempre escuto, e na maioria das vezes quem fala não conhece um terço dos filmes que são bons.

Tendo em vista isso e aproveitando o Dia do Cinema Brasileiro que é comemorado hoje, 19 de junho, indico a vocês um filme muito interessante que nem todo mundo conhece e aborda a depressão. Quem reclama que o cinema nacional acaba sempre caindo na mesmice com seus excessos de comédias, vai se surpreender.

Estou falando do filme nacional Entre Abelhas (2015), estrelado por Fábio Porchat e dirigido por Ian SBF (ambos criadores do Porta dos Fundos). O filme é poderoso e fala sobre depressão sem falar sobre depressão.

Depressão não é só se sentir triste. É uma doença perigosa e que precisa ser tratada. Pessoas com depressão fazem mal a si e aos próximos. Depressão não é frescura. Nos tempos de hoje, com todo mundo conectado, é muito mais fácil se sentir sozinho.

Sem entrar em pormenores, considero o filme uma interessante metáfora da depressão, transtorno no qual o sofrimento por vezes torna-se tão intenso que é como se o mundo e as pessoas não mais existissem. Imerso em seu próprio sofrimento, o depressivo não consegue olhar além de si. Este é exatamente o caso de Bruno (interpretado por Fábio Porchat). Recém-separado de sua esposa, com quem viveu alguns anos, o personagem encontra-se num doloroso processo de luto. E é justamente no meio deste turbilhão que tem início a sua cegueira. A situação de Bruno também pode ser interpretada como uma metáfora da solidão nas cidades (grandes ou pequenas), nas quais as pessoas são, de certa maneira, invisíveis umas para as outras.

Muitas vezes, querendo ajudar, as pessoas dizem: “Um dia passa”, “o tempo vai curar”, “deixa isso para lá”, porém, são palavras que não acrescentam em nada e, dependendo da situação, podem até ser prejudiciais. Incentivar a procura por um profissional é o melhor que se pode fazer. Lembre-se: qualquer pessoa pode ter depressão.

 

O que a psicologia diz sobre o comportamento dos trolls

 

Os valentões sempre estiveram entre nós. Costumávamos ser capazes de detectar esse tipo a quarteirões de distância. A arrogância, zoação, insultos, olhares de desprezo e agressões eram assistidos por todos e, muitas vezes, o agressor podia ser evitado tomando um caminho diferente para casa ou saindo por outra porta da escola. O prazer que tinham em envergonhar e intimidar os outros deixava evidente sua falta de empatia. O olho roxo da vítima ou o nariz quebrado davam evidências da agressão. Medo e gritos podiam ser vistos e ouvidos, e só assim o bullying parava.

Mas os tempos mudaram e os agressores também. Na era digital, um palco imenso e invisível para o bullying permitiu que o cyberbullying crescesse como uma epidemia. Hoje, quase metade de todos os usuários da internet relatam ter sido alvo de algum tipo de maus tratos on-line. A internet facilitou muito para os agressores atacarem e se esconderem num teatro anônimo que garante ao troll nenhuma preocupação com a punição.

Porque os trolls da Internet desumanizam os outros?

Quando ataques são feitos online, a capacidade de ver as consequências da agressão não é ativada no cérebro de quem o faz. Estudos mostram que os trolls tendem a não enxergar suas vítimas como pessoas reais. Eles desumanizam os outros, o que significa que a pessoa do outro lado do ataque é considerada mais como um objeto e menos como um indivíduo com sentimentos. Mesmo que seu assédio possa arruinar vidas e até mesmo levar seus alvos ao suicídio, os agressores da internet parecem não se importar. O bullying tende a conceder uma sensação imediata de poder aos impotentes.

Mas quem são esses trolls?

Por estudos, sabemos que a grande maioria dos trolls da internet são homens e muitos têm menos de 30 anos. Eles tendem a ser antissociais por natureza e muitas vezes não possuem habilidades sociais e emocionais para resolver conflitos interpessoais, tanto online quanto offline.

Pesquisadores canadenses fizeram a referência cruzada de testes de personalidade online e descobriram uma relação no comportamento troll com a chamada “tétrade obscura”. Um agrupamento de quatro transtornos de personalidade: psicopatia (falta de remorso e empatia), sadismo (sentir prazer com o sofrimento dos outros), narcisismo (egoísmo e auto-obsessão) e maquiavelismo (tendência a manipular os outros).

O estudo, publicado no final do ano passado, define trollagem on-line como “a prática de se comportar de forma enganosa, desordenada ou destrutiva num local social da internet por um único motivo: prazer próprio”.

Sabemos que as vítimas de assédio online muitas vezes se sentem deprimidas, ansiosas e derrotadas pela experiência abusiva. Os trolls, porém, também parecem pagar um preço psicológico. Se pensarmos nesses sentimentos como um espelho do que esse indivíduo sofre internamente, podemos ter o vislumbre de uma pessoa que se sente impotente, ansiosa e deprimida e que não conhece outra saída a não ser provocar tais sentimentos nos outros. Mas, em vez de buscar uma saída para a frustração reprimida, o troll parece aumentar a depressão, a solidão e o isolamento.

E o que pode ser feito?

É necessária mais interação humana “cara-a-cara” para construir habilidades interpessoais, antes de perdermos (todos nós) o contato humano. Os trolls que estão causando dor, também podem precisar de um ser humano carinhoso ou psicoterapeuta para compreender seus próprios sentimentos de isolamento e rejeição. Porém, devemos ter cuidado para não categorizá-los e generalizá-los como psicopatas.

Se você é vítima de trolls na internet, a primeira e mais importante opção é não ficar calado e denunciar. Caso tenha dúvidas sobre como proceder, também vale contar com a equipe do projeto SaferNet. Com o apoio de organismos importantes, este site ajuda a orientar ações para quem foi vítima de um crime digital, explicando como fazer cartas solicitando a remoção de uma injúria ou difamação, por exemplo. Outra dica nesses casos é ignorar. Quando as vítimas do cyberbullying conseguem ignorar a violência sofrida, podem provocar frustração nos trolls e isso pode motivá-lo a desistir e ir embora.

Precisamos ficar atentos para que a experiência humana real e viva não seja substituída. Para completar o círculo de empatia e entender a psicologia dos trolls da internet, é importante reconhecer que eles também são seres humanos que precisam de ajuda. Nossa sociedade não pode se dar ao luxo de julgar sem buscar soluções para os efeitos colaterais da era digital.

Se você já foi alvo de algum tipo de abuso online, denuncie. Se, por outro lado, você conhece alguém que passou por problema semelhante, ofereça apoio, use as dicas que mostrei aqui. Se for necessário apoio psicológico, saiba que estou sempre a disposição para ajudar.

A diferença entre estar sozinho e se sentir sozinho

Recentemente assisti o filme Bohemian Rhapsody e um ponto me chamou a atenção: a solidão. Vários momentos da vida do cantor me fizeram refletir sobre ser solitário e estar sozinho, mesmo rodeado de tanta gente.

Com o filme e matérias que surgiram na época ficou fácil lembrar do Freddie Mercury e como ele era em seus últimos anos: visionário e contido, raramente visto em público, reclinado ao luxo com seus gatos e suas jóias. Mesmo antes do peso da doença, ele dava a impressão de um homem que estava satisfeito. Nas raras entrevistas que ele deu, não havia introspecção no estilo Radiohead, mas sim parecia estar afetado por uma tristeza.

Em uma entrevista ao jornalista e escritor David Wigg em 1984, ele disse:

“Podemos ser amados por milhares de pessoas e ainda assim sermos a pessoa mais solitária. E a frustração disso me faz sentir ainda pior, porque é difícil entenderem que podemos estar sozinhos…  A maior parte das pessoas pergunta como pode o Freddie Mercury estar sozinho? Ele tem dinheiro, tem carros e motoristas, ele tem tudo. Pode parecer que temos tudo e no entanto não termos nada. Me sinto a pessoa mais solitária do mundo.”

Para alguns teóricos, especialmente da linha existencialista o ser só é uma condição original de todo ser humano, mas o sentir-se só é uma condição temporal. Assim quando uma pessoa entende que estar sozinha não é uma opção, mas uma imposição da vida, ela entra em um estado emocional de sofrimento, porque quando ela olha para dentro de si ela não se encontra, pelo contrário ela se depara com um vazio existencial.

E quando isso acontece, mesmo que essa pessoa esteja rodeada de pessoas ela, ainda assim, se sentirá sozinha, pois esse “preenchimento” que se vê ausente não se encontra nos outros encontra-se em si mesmo.

A diferença entre sentir-se sozinho e estar sozinho está na maturidade de reconhecer-se como um ser de relação, não em uma relação de dependência, mas de liberdade, isto é, entender que o outro não é o único responsável pela sua felicidade. É a disponibilidade de vivenciar cada momento de uma forma singular. É sentir-se em paz consigo mesmo não com a paz que o outro te “oferece”.

E como se alcança essa maturidade?

Simplesmente se conhecendo, permitindo e “experienciando” a vida. Não existe segredo, o que deve existir é disposição para se conhecer e descobrir tudo aquilo que você pode vir a ser!

Portanto, é necessário saber enfrentar, gerir e aceitar a solidão. Eu separei aqui algumas orientações que podem te ajudar a enfrentar a solidão não desejada de maneira inteligente, de uma forma que favoreça o seu crescimento pessoal:

Entre num grupo – Pode ser um grupo ligado às artes ou ao esporte, ou um grupo comunitário. Entrar num grupo imediatamente leva a uma integração num conjunto de pessoas que dividem interesses comuns. É uma iniciativa que poderá lhe trazer o sentimento de pertencimento. A integração num grupo e o convívio com outras pessoas estimula a criatividade, poderá ser algo que faça você desejar o dia seguinte, ajudando a combater a solidão.

Faça voluntariado – Tornar-se voluntário numa causa em que acredita poderá trazer vários benefícios. Conhecer outras pessoas, fazer parte de um grupo, criar novas experiências. Praticar e sentir o altruísmo poderá trazer outro sentido à sua vida, o que contribuirá para aumentar a sua felicidade e o seu bem-estar, diminuindo a solidão. Trabalhar com os outros mais desfavorecidos pode fazer você olhar para a sua vida e para as possibilidades que tem com outros olhos.

Invista nas suas relações sociais – Certamente tem pessoas na sua vida que talvez não conheça bem, que ainda sejam apenas conhecidos, mas que sempre teve curiosidade de conhecer melhor. Você também poderá investir nas suas relações familiares e torná-las mais profundas e íntimas. Ligue mais aos seus amigos! Invista nas suas relações! Convide os seus amigos para sair! Organize jantares de amigos que tragam mais dois amigos, dinamizando os encontros sociais e tornando-os fontes de novidade constante.

Adote um animal de estimação – Os cães e os gatos, em especial podem trazer vários benefícios e um deles é a prevenção da solidão. Cuidar de um animal reúne princípios de altruísmo e de companheirismo. Passear um cão leva a comportamentos espontâneos de pessoas que passeiam e que afagam o animal e podem iniciar uma conversa com você, sejam eles pessoas com ou sem animal de estimação. Os animais permitem dar amor incondicional, que poderá ser um extraordinário trunfo para vencer a solidão.

Faça psicoterapia – Com inúmeras vantagens, a  psicoterapia permite criar uma relação de confiança e de exposição da sua intimidade com alguém que o ouve com atenção plena e com verdadeira empatia. Estes elementos são muito reconfortantes para uma pessoa que sofre de solidão. Além de promover este conforto, a psicoterapia fornece a você uma série de estratégias para sair da solidão e reencontrar o seu bem-estar. E, caso precise de ajuda profissional, estou à disposição para acompanhá-lo nessa trajetória.

Como vê, existem muitas formas de combater a solidão.
Espero que este artigo possa ter lhe ajudado!